Ferrogrão marca protagonismo das tradings

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Ferrogrão marca protagonismo das tradings

Mensagem  U20C em Sex 16 Set 2016, 13:58

16/09/2016 - Fonte: Valor Econômico

Defendida pelas mais poderosas tradings agrícolas que atuam no país, a Ferrogrão saiu de vez da "lista de desejos" do setor ao entrar no rol de concessões do governo Michel Temer em 2017. O projeto já havia sido incluído - por pressão do agronegócio - na última versão do PIL, programa similar da ex-presidente Dilma Rousseff, e sua presença nesta nova tentativa de licitações federais renova a percepção de que a obra foi encampada por Brasília por sua atratividade ao setor privado - o que eleva as chances de sucesso da concessão.

A Ferrogrão vem sendo estudada e desenhada há quatro anos pela alta cúpula no Brasil da Amaggi, Louis Dreyfus, Cargill, Bunge e ADM, como uma alternativa às opções atuais ao escoamento de grãos no país. Reunidas no "Projeto Pirarara", trabalharam junto com a EDLP, uma estrutura de negócios, dos detalhes técnicos ao acompanhamento político. Para elas, o que importa é que a obra saia do papel no formato mais licitável possível: as próprias tradings se dizem dispostas a financiar o empreendimento, caso ninguém mais tenha interesse em fazê-lo.

"Foi a primeira vez que tradings se juntaram no mundo para fazer um estudo desse tipo", diz Guilherme Quintella, presidente da EDLP.

O momento era oportuno. Em 2012, o governo lançava um novo modelo horizontal de concessão e planejava rasgar 12 mil quilômetros de ferrovias, além de concessões de rodovias, portos e aeroportos, como forma de minimizar os gargalos logísticos brasileiros.

Para Quintella, ligado ao setor ferroviário, algo novo surgia. "Para nós, que entendemos um pouco do assunto, aquelas rotas que o governo estava sugerindo não faziam sentido, especialmente no agronegócio", diz ele. Eram caminhos que não convergiam para o Arco Norte, a nova direção do fluxo de grãos produzidos no Centro-Oeste.

A EDLP chamou a Amaggi para conversar - Quintella e o ministro Blairo Maggi, na época senador, mantêm uma antiga relação de amizade. Da conversa veio a ideia de expandir o núcleo: chamaram a Louis Dreyfus, depois Cargill, Bunge e por fim a ADM. Em comum, já estavam posicionadas (ou em vias de) no Norte. Ao mesmo tempo, dividiam a insatisfação com a dependência dos vagões da ALL para a chegada de grão aos seus terminais à margem esquerda de Santos. Ter uma alternativa à malha paulista - e pressionar por revisões de tarifas - era algo que interessava.

Nascia o "Pirarara", nome de um de três peixes amazônicos cogitados, e o maior de água doce do mundo. Foram inúmeros encontros ao longo de quatro anos até o nome "Ferrogrão" aparecer no site do governo federal. Os grupos técnicos das cinco empresas envolviam desde o time de logística, engenharia e novos negócios até o pessoal jurídico. As reuniões eram periódicas e detalhadas. Os "heads" encontravam-se, em geral, a cada dois meses, quase sempre na sede da EDLP, em São Paulo.

Os estudos tentavam simular qual caminho a soja, o farelo e o milho percorreriam para chegar aos principais portos em 2020, 2030, 2040 e 2050. As quatro tradings e a EDLP mapearam áreas de plantio, volume de produção e exportação de cada município produtor em 14 Estados brasileiros. Então jogaram as projeções dentro do mapa logístico que o governo pretendia catapultar em 2012 - ferrovias, hidrovias e rodovias duplicadas das novas concessões.

Mais de 30 mil fluxos foram gerados e duas constatações. A primeira e mais previsível: nos Estados do Sudeste, os portos tradicionais eram os que mais cresceriam no escopo de municípios do Centro-Sul do país. Já a segunda constatação foi uma surpresa: a Fico (Ferrovia de Integração Leste-Oeste), defendida pelo governo federal como um trecho licitável, não consumiria grande volume de grãos. Nas projeções do estudos, os grãos subiriam mais pela BR-163 até Miritituba, no Pará, e de lá pela hidrovia até os portos de Santarém, Barcarena, Itacoatiara e Santana do Amapá. Por que não fazer, então, uma ferrovia paralela à BR-163?

O projeto de 933 Km ao custo de R$ 12,9 bilhões hoje, teria capacidade para escoar 36 milhões de toneladas médias ao ano. Foi apresentado ao governo, que fez o chamamento público para que empresas interessadas apresentassem alternativas de traçados para a via. Em nome do consórcio, a EDLP protocolou suas sugestões. A UTC/Constran também - mas não foi em frente, diante do envolvimento na Operação Lava-Jato.

Sobrou o projeto do consórcio, que aprofundou os estudos de viabilidade. Mas houve sobressaltos. O momento político difícil no país chegou a levar parte do grupo a querer desistir da empreitada no ano passado. Ao mesmo tempo, Bunge e a Dreyfus também passavam por mudanças importantes em sua gestão, mas a Ferrogrão já era mais que apenas os rabiscos de uma ideia.

Outros players tentam participar do projeto. A chinesa Cofco teria sido ouvida, mas as conversas ainda não avançaram. Entre as razões estão o Capex alto e o retorno de longo prazo, que exige definições mais claras. A forma de financiamento, por exemplo, ainda não divulgada pelo BNDES.

meu comentário: vamos esperar para ver no que vai dar, só o fato de 4 empresas estarem adiante deste empreitada, a expectativa é boa.

U20C
avatar
U20C
Administrador
Administrador

Mensagens : 1235
Data de inscrição : 03/04/2011
Idade : 57
Localização : Osasco-SP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum